Grupos e Projetos de Pesquisa

Saiba mais sobre os principais Grupos de Pesquisa aos quais os docentes do PPGOCEANO estão vinculados:

 

O grupo de docentes que esta envolvido com o PPGOCEANO está participando de forma ativa de cinco (5) Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT´S) financiados pelo CNPQ. Sendos estes:

- Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Energias Oceânicas e Fluviais – INEOF: O INEOF pretende promover, por meio de colaborações institucionais, a pesquisa cientifica multidisciplinar e o ensino de excelência relacionado aos tópicos de energia oceânica, maremotriz, hidrocinética, fluviais e eólica offshore gerando conhecimento
estratégico que contribua à diversificação da matriz energética com respeito ao meio ambiente. Através desta proposta pretende-se aglutinar os poucos grupos de pesquisa no Brasil com trabalhos em energia no mar, fluviais de baixas quedas e hidrocinéticas ou atividades aderentes, para deflagrar um processo de colaboração consistente interinstitucional coma valiosa colaboração de especialistas internacionais que decorra na geração de conhecimento, elaboração de protótipos e a formação de recursos
humanos em energia oceânicas e fluviais.

- Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Transferência de Materiais Continente-Oceano (INCT TMCOcean): Este instituto está sediado na Universidade Federal do Ceará, sob coordenação do Prof. Dr. Luiz Drude de Lacerda, e conta com a participação de quatorze instituições de pesquisa, incluindo a Universidade Federal de Santa Catarina. O INCT TMCOcean tem por objetivo quantificar o transporte, transformações e destino de sedimentos, nutrientes, matéria orgânica e metais-traço do continente para o mar na costa Leste-Nordeste brasileira e sua interação com as cadeias produtivas locais e processos naturais. Subsidiar a construção de cenários ao desenvolvimento sustentado da região costeira face às mudanças regionais e globais. Contribuir para a diminuição das desigualdades regionais no que tange a formação de recursos humanos e desenvolvimento científico avançado. Os subprojetos abordam pesquisas na região sul brasileira, plataforma continental do Estado de Santa Catarina e Paraná.

-INCT-CARBOM: Caracterização Ambiental e Avaliação dos Recursos Biogênicos Oceânicos da Margem Continental Brasileira e Zona Oceânica Adjacente – CARBOM (IO-USP): Este projeto faz parte da rede de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, possuindo financiamento do CNPq. Ele foi idealizado pelo esforço conjunto de um grupo interinstitucional de pesquisadores, liderados pelo Prof. Frederico Brandini do Instituto Oceanográfico da USP. Seus objetivos e hipóteses foram formuladas em torno de um tema central: o inventário do Carbono e dos elementos químicos associados à produção da matéria orgânica nos oceanos e seus fluxos anuais entre os compartimentos biogeoquímicos da margem continental brasileira e zona oceânica adjacente. Além disso, o projeto visa aplicar essas informações em experimentos de cunho sócio-econômico utilizando tecnologias avançadas e inovadoras para exploração sustentável de recursos pesqueiros e biotecnológicos. Ainda, o projeto pretende subsidiar políticas públicas ambientais, em escala nacional, ajudando a preservar e proteger a integridade física e biológica dos ecossistemas marinhos brasileiros. Na escala global, a redeINCT-OCEANOS/CARBOM visa monitorar os efeitos das mudanças climáticas sobre a integridade dos ecossistemas marinhos do Brasil e avaliar o papel dos processos oceanográficos no ciclo global do carbono.

- INCT Mar COI – Oceanografia Integrada e Usos Múltiplos da Plataforma Continental e Oceano Adjacente, Centro de Oceanografia Integrada.  Três sub-redes coordenadas pela UFSC: Projeto financiado pelo CNPq, no âmbito do programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, com duração de 01/Agosto/2012 a 31/Julho/2015 e valor total concedido de R$ 14.992.339,00. O objetivo maior do INCT Mar COI, cuja coordenação está a cargo da FURG (Universidade Federal do Rio Grande), é implantar e consolidar uma rede de instituições para o desenvolvimento de pesquisas oceanográficas em mar aberto atuando na vanguarda do conhecimento e contribuindo para a formação de recursos humanos, transferência de conhecimento para a sociedade e geração de políticas públicas. A estratégia adotada para atingir este objetivo e ao do Edital MCT/CNPq/FNDCT 71/2010 é estruturar sete redes de pesquisa interinstitucionais, quatro delas com participação dos professores do PPGOC. A principal hipótese que permeia o projeto é de que mudanças de larga-escala na circulação oceânica, associadas a modificações na circulação atmosférica, levarão a impactos consideráveis na biota do Oceano Atlântico Sul Ocidental. Destacam-se, como foco investigativo, os processos de aquecimento e salinização das águas superficiais e ambientes profundos da Plataforma Continental e Talude da costa Brasileira. Operacionalmente, buscar-se-á o estabelecimento de condições básicas (“baselines”) das diferentes comunidades através de inventários consistentes da maioria dos habitats e dos componentes destes ecossistemas. As informações geradas pelos diferentes sub-projetos que compõem a rede serão estruturados de modo a nortear futures atividades de gerenciamento e zoneamento destes setores.

- Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (subprojetos – Zonas Costeiras / Produtos Tecnológicos: Modelagem Multi-Escala: Desafios para o Futuro / Bentos): Este programa visa à implantação e desenvolvimento de uma abrangente rede de pesquisas interdisciplinares em mudanças climáticas e se embasa na cooperação de 76 grupos de pesquisa nacionais de todas as regiões e 16 grupos de pesquisa internacionais, envolvendo na sua totalidade mais de 400 pesquisadores, estudantes e técnicos e constituindo-se na maior rede de pesquisas ambientais já desenvolvida no Brasil. Este programa faz parte da chamada MCT/CNPq/FNDCT/CAPES/FAPEMIG/FAPERJ/FAPESP de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT-Clima). Se espelhando na estrutura do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, o Programa se organiza em três eixos científicos principais (base científica das mudanças ambientais globais; impactos-adaptação-vulnerabilidade; mitigação) e contém também esforços de inovação tecnológica em modelos do sistema climático, geo-sensores e sistema de prevenção de desastres naturais. Neste programa, coordenado pelo Dr. Paulo Nobre (INPE), está inserida a componente OCEANO coordenada pelo Dr. Edmo Campos (IO-USP) com a participação da Dra. Regina R. Rodrigues da UFSC entre outros pesquisadores de instituições nacionais e internacionais. O entendimento do papel do oceano nas mudanças climáticas e dos impactos dessas mudanças no ecossistema marinho requer pesquisas e observações sistemáticas de grande complexidade e de alto custo. Assim, o grupo responsável pelo módulo OCEANO decidiu eleger como atividade principal um projeto com observações e modelagem, focado na região oeste do Atlântico Sul e em suas interações com o clima da América do Sul.

Outros:

- SIMCosta – Fundo Nacional sobre Mudança do Clima: Apoio à implantação e manutenção do Sistema de Monitoramento da Costa Brasileira (SiMCosta): Este projeto faz parte da rede de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climática e da Sub-rede Zonas Costeiras da REDE CLIMA e INCT, e conta com um financiamento no total de R$ 6.000.000,00 pelo Fundo Clima, Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, chamada 02000.002497/2011-97. O projeto foi idealizado e é atualmente liderado por um dos docentes da PPGOCEANO, prof. Carlos Alberto Eiras Garcia, e conta com o esforço conjunto de um grupo interinstitucional de pesquisadores e do MMA. O objetivo central é estabelecer um sistema de alerta em caso de ocorrência de eventos extremos e, com a continuidade do programa, poder antever os processos ligados aos efeitos climáticos, como os eventos de El Niño/La Niña, e as tendências de longo período. O SimCosta visa, em médio prazo, atender toda a região costeira ao longo do território brasileiro. Na fase inicial, atenderá aos estados do RS, SC, PR e SP (região sul-sudeste).

- REDE CLIMA -(http://redeclima.ccst.inpe.br/quem-somos/)
A Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais – Rede Clima constitui-se em um importante pilar de apoio às atividades de Pesquisa e Desenvolvimento do Plano Nacional de Mudanças Climáticas para atender às necessidades nacionais de conhecimento sobre mudanças do clima, incluindo a produção de informações para formulação de políticas públicas. A Rede Clima está dividida em várias subredes e o grupo da Profa. Regina R. Rodrigues coordena juntamente com o CEMADEN a Subrede de Desastres Naturais. No contexto da PPGOCEANO, o grupo trabalha com os efeitos dos oceanos nos extremos climáticos que possam levar a desastres naturais. O foco é em entender os mecanismos que levam a esses extremos para que essa informação ajude a melhorar a previsão de tais eventos. A Rede Clima tem os mecanismos de passar essa informação para os tomadores de decisões que então podem mitigar os impactos socioeconômicos na população e construir medidas de adaptação dentro do Plano Nacional de Adaptação (PPA). Nesta sub-rede ainda há a participação do Prof. Renato Silva. Na sub-Rede Zonas Costeiras há a participação do Prof. Dr. Paulo Horta, Prof. Dr. Antonio H.F. Klein, e Prof. Paulo Pagliosa na ReBentos.

Adicionalmente o Grupo do PPGOCEANO participa das seguintes redes:
a) Rebentos – Coordenação do GT Rodolitos (http://www.rebentos.org/index.php/grupos-de-trabalho/rodolitos).
b) BROA- Rede Brasileira de estudos sobre acidificação dos oceano (http://www.broa.furg.br/).
c) Rede Algas- Re Brasileira de Biotecnologia de Algas. Rede Algas- Rede Nacional em Biotecnologia de Macroalgas Marinha, dedicada ao estudo da biodiversidade e aplicações diversas de macroalgas marinhas, com especial enfoque em biocombustíveis, fármacos e produtos com aplicações na agricultura.